(Do you) like Blakk Market?

Listen to us! Theater of Lies by Blakk Market

Wednesday, December 01, 2010

Argentina³

Días 2/3

Rammstein foi fodástico, muitos efeitos visuais, fogos de artíficio, pirotecnia e tal. Fila na entrada e compra de ingressos "imitación original" foram foda. Algum tumulto na saída do show e um tempo bem mais frio do que quando chegamos... pegou mesmo quando os ônibus pararam de pegar passageiros. Eles simplesmente passavam direto pelo ponto, sem parar, e a gente lá congelando.

Resolvemos comer uma pizza no joint logo ali perto do ponto e ver no que dava. O atendimento foi meia boca, um monte de cabeludos de preto, góticos, freaks em geral e a tiazinha não tava realmente acostumada com tanto movimento. Depois de comer tentamos o busão mais uma vez. Depois de três ou quatro ônibus hijos de puta e um sem número de xingamentos e piadas ruins, conseguimos entrar em uma das linhas que nos levaria de volta ao Obelisco. Descemos na esquina da rua do hostel com a 9 de Julio, e nos inspiramos com alguns botecos ainda abertos. Trocamos de roupa pra algo mais quente e voltamos pra rua, pro after. O boteco que escolhemos era caro, e um dos caras do grupo, o suíço, tinha uma garrafa de Bacardi no quarto dele. O plano kiosco-coca-cuba foi de aceitação imediata.

Depois de sermos expulsos do hall do hostel, fomos pro nosso quarto (que tinha duas camas livres by now, o casal de franceses já tinha vazado) e ficamos por lá trocando histórias, falando muita merda. Batia cinco da manhã quando we were calling it quits. Borrachos.
Bold

Saturday, November 27, 2010

Argentina³

Día 2

Acabamos indo ao Hard Rock Café na Recoleta, só pra encontrar camisetas caríssimas e um mural com uma King V quebrada que o Dave Mustaine deixou por aqui em 97 e um prato assinado pelo Nick Menza. Dig that one up.

Depois da extravagância roqueira, tocamos pro apê de um chapa do Brasil, no mesmo bairro. Puta apê. Vários chapas numa festinha bem bacana - três australianos doidos, duas inglesas, o argentino que mora com o chapa, o chapa e a gente. Joguei um esquema com cartas engraçadíssimo, ouvi expressões curiosas tipo "Fuckdamnit" e just had a great time.

A sexta começou meio lenta, demos uma volta na cidade, pegamos os ingressos do Rammstein e almoçamos em um joint que servia Chop Suey, bebida e 10% por $31. Voltamos pro hostel e, depois de uma soneca, comecei os preparativos pro primeiro treino de Aikido em solo argentino neste ano. O local, Dojo Monte Grande, encabeçado por Diego Brasich Sensei. Ótima recepção como sempre, e um treino bem puxado e muito, muito bom. Trouxe - e recebi - presentes, e já combinamos alguns esquemas pra semana que vem. No início do treino pude assistir a cerimônia de troca de faixas deles - o sensei fica com as faixas antigas e entrega as novas pros aprovados, ao passo que um senpai dá o nó na faixa nova, pela primeira vez, pro kohai. Muito bacana.

Durante o treino saquei uma tatuagem de um dos 3o kyu, uma do Sepultura. Depois do treino hablamos de metal e combinei de deixar nosso CD com ele.

O cordão da minha mochila tinha estourado mais cedo, então, no caminho de volta pro hostel (perto do Obelisco, pela 9 de Julio) resolvi parar em uma banca e pedir um substituto. Parei na banca de um senhor que ouvia música clássica. De "Señor, tenés un cordón para que puedo cerrar mi (gestos aqui, não sei falar mochila)" pra the role of music in people's lives. 40 minutos de conversa assim, aleatoriamente bacana. Uma experiência e tanto.

Depois de chegar ao hostel, comer algo eestender o kimono ensopado, toquei pro The Roof - o bar no ático do hostel. Pisture this: uma jam que começava, uma carioca, um japonês que mora em San Francisco, um italiano doido, duas finlandesas, um suiço mais louco que o italiano e Quilmes, além de mais um monte de gente que eu não conhecia. Top.

Hoje (terceiro dia), temos show do Rammstein e qualquer coisa que vá até tarde como after. A ver lo que pasa, si?

Thursday, November 25, 2010

Argentina³

Día 1

Muy bueno, amigos, consegui uma semaninha de alforria do trampo e toquei a barca pra Buenos Aires. Na lista, temos o show do Rammstein, Hard Rock Café, treinos de aikido e alguns outros pontos quentes pra visitar.


O dia começou cedo, 2:20 da manhã já estava de pé pra chegar ao aeroporto perto das 3h. Lá chegando, caiu bem um sanduíche da Casa do Pão de Queijo, embora o/a atendente fosse estranho/a. o.0

Vôo taxiando e rumando pra BA por volta das 4:20, com chegada no horário - 5:45. A vista do amanhecer estava demais. Buena onda do dia: chofer esperando com o meu nome na plaquinha. Tocamos pro Hostel e largamos as bagagens. O check-in só começava às 14h, então aguardamos (bojamos) no hall do hostel. Mala onda do dia: bobeei em frente ao hostel e tomei um banho de poça d'água de um busão que passava pela rua.
As próximas horas foram peruando pelo centro, calle Florida, Sarmiento e San Martín debaixo de um sol impiedoso. Tocamos pro almoço, e um Bife de Chorizo espetacular nos aguardava. Na frente do restaurante, um mercadinho de rua muito jeitoso rendeu algumas compras...

De volta ao hostel, nova bojada (agora com quarto, que estamos rachando com um casal de franceses gente fina) e cervejinha na sequência. O portunhol mostrou sinais de franca melhora e às vezes dá um nó nas sinapses quando tenho que falar inglês com algum gringo maluco por aqui.

Daqui a pouco vou encarar um banho e planejar a primeira noite em solo argentino. As fotos ficam pra depois, visto que o gênio que vos escreve esqueceu o cabo da câmera (emprestada, diga-se de passagem) em casa.

Suerte!

Tuesday, November 23, 2010

Tuesday, November 16, 2010

Untitled

I need(ed) it to remind me that I am no longer afraid, That I
wear my own skin
live my own dreams
I, and not some random projection
Delusions of grandeur by
strangers' inception


A cry for rewinding

A release

Unlocking the real inner me

The very soul that ever craved to be

The truth, disguised beneath years of

self prejudice, of untold soliloquies

I wonder why
people's able to
be true to themselves
And I kept feeding my misery

Friday, November 12, 2010

Wednesday, October 06, 2010

Neil Gaiman excerpts

"The me who was screaming was so far inside nobody knew he was even there at all. Even I forgot that he was there [...]"

[...]

"A couple of hours down the highway my cell phone started to ring. I wound down the window and threw the cell phone out. I wondered who would find it, whether they would answer the phone and find themselves gifted with my life."

[...]

"In a perfect perfect world you could fuck people without giving them a piece of your heart. And every glittering kiss and every touch of flesh is another shard of heart you'll never see again.
Until walking (waking? calling?) on your own is unsupportable."


Neil Gaiman is a fuckin' brilliant motherfucker.

Tuesday, October 05, 2010

Manowar's Top 15

O Manowar Research Institute, GmbH, localizado em Biberach an der Riß, Alemanha, divulgou recentemente os resultados de sua pesquisa épica sobre a preferência das palavras utilizadas por Eric Adams, Joey DeMaio e Karl Logan - membros ativos do Manowar - nas suas composições ao longo da carreira.

Façam suas apostas, pois aí vai a lista!

As top 15 nas músicas do Manowar

15º glory 40
14º battle 46
13º black 56
12º steel 61
11º sword 64
10º death 65
9º power 76
8º fire 83
7º wind 90
6º king 105
5º blood 109
4º metal 129
3º ride 133
2º die 149
1º fight 158


Surpreendente, não?

Saturday, September 18, 2010

Projeto de Mestrado 2 - o cronograma

Sábado, 18.09.2010

Primeiras 3 h

café da manhã;
post inicial no blog;
transcrição da conversa com a possível orientadora (44 minutos de áudio, mais um adendo de quase 4 minutos);
papéis importantes colados na parede e grifados;

3 - 6h
Fisiologia aplicada;
Instalação do dropbox no notebook;
Almoço;
Levantamento de mais documentos comprobatórios do Lattes;
Pesquisa no pergamum e passada na BU (4 livros);
Banho;

6-9h
Doritos;
Passada de leve na Fundamentação Teórica;
Parte de Justificativa finalizada, possibilidade de revisão é latente;

9-12h
Amendoins;
Um pouco de emails aleatórios, só pra relaxar;
Negresco;
Saída de casa pra compra de suprimentos;
Lida rápida em Landim (1997); citações peristálticas em suas páginas. Valeu até o post-it novo que eu comprei;
Fandangos;
Pizza à caminho.

12-15h
Pizza tá cheirando, e bem. Janta iminente;
Cheguei na metade das páginas permitidas pelo edital, com algumas adições à justificativa e fundamentação teórica. Tá na hora de parar de citar e escrever logo a introdução, metodologia e resultados esperados;
Misfits (!!!) no Sesiones con Alejandro Franco, da Sony;
Fundamentação Teórica (parte sobre TICs) quase fechada, já deixei o link pra voltar amanhã e tocar o terror.


Domingo, 19.09.2010

15-18h

Pizza gelada pela manhã!
Mais atualizações do Lattes;
Fisiologia aplicada à bibliografia;
Banho;
Ampliação da Fundamentação Teórica, tá ficando maior do que eu esperava... citei Radfahrer, e quebrei o clima formal do trabalho. Way to go.

18-21h
Mais citações curiosas de Radfahrer;
Levantamento bibliográfico já rendeu muitos livros. Resultado: não consegui achar um artigo que falava sobre um tópico específico... tive que mandar um migué;
Fundamentação teórica já era. Tá gigante, então devo precisar de umas supressões posteriores;
Peruada básica nos objetivos (geral e específicos). Ainda estão meia-boca;
Preciso de uma pausa. Não tá rendendo mais;
Pausa inadvertidamente longa demais;
Sanduba de copa;
Mais uma peruada nos objetivos - tá quase uma merda;
Metodologia concluída;

21-24h
Fechei Resultados esperados;
Cronograma finalizado;
Faltam as revisões, escrever introdução...;
Re-escrevendo (e diminuindo) alguns parágrafos;
Tô em 10 páginas sem introdução. Mandei pra possível orientadora e espero comentários pra amanhã cedo... ou não;
E dá-lhe colírio. Ler no monitor sucks ass;

24-27h e meia
Recebido comentário da possível orientadora, impressionantemente rápida, além de contundente nas observações... diria até pragmática;
Trava pra começar o texto de um tópico. Infâmias.
Destravou, mudei um monte de coisas (baseado nos comentários), citações, início do texto, fundi, liguei e omiti seções... tá indo!
Introdução - it's a wrap.
Resumo curto e palavras-chave - it's a wrap.
Mais Bibliografia adicional;


Segunda, 20.09.2010 - último dia pra entrega do projeto

27h e meia - 31h
Ida pro trabalho, meio virado. Pra completar a sina, meu piercing na língua ficou sem uma das pontas no caminho. Incomodação;
Posicionamento do Sumário;
Arranjo da Ficha Resumo e do documento de Projeto de pesquisa em si;
Última revisada e diagramação do conteúdo do projeto;
Título definido;
Organização dos documentos comprobatórios do Lattes + sumário;

31h - Horas extras ao longo do dia, when all hell broke loose
Visita ao piercer pra resolver a situação (na Palhoça);
Almoço em casa pra compensar (pior idéia em anos);
15:15h - De volta ao trampo, impressão e organização dos documentos pendentes;
Redação do resumo ampliado. Normas: de 500 a 800 palavras. Resultado: 500 palavras EXATAS;
16:42h - Correria pro xerox, pra encadernar as vias do projeto, resumo ampliado e lattes = R$ 15;
16:50h - Correria pro correio, que fecha às 17h;
16:52h - Pausa pra retirar grana no caixa, pra pagar o correio;
No caminho, na Lauro Linhares, óbvio que um ser ignóbil andava a 20 Km/h no seu Citröen C3;
16:56h - Lauro Linhares, altura do Frango & Fritas. O Correio que ali existia mudou de endereço. Desespero;
16:58h - Lauro Linhares, em frente ao Capitão Gourmet: agência do Correio fechando;
16:58:30h - Carro estacionado em cima da calçada, em frente à Acate;
16:59h - Entrada nos Correios. Tensão na discussão com o camaradinha no caixa, mas o carimbo ainda valia pra data de hoje, último dia pra entrega do projeto. R$ 13 no SEDEX e nenhuma multa pelo estacionamento aleatório;
17:11h - Alívio quase épico.

Há!

Projeto de Mestrado

Acordei com uma missão pro final de semana: terminar o projeto de mestrado até segunda. Ainda na cama, a epifania metodológica: tinha 7 tópicos pra escrever; com uma jornada de 10-12h por dia teria, por baixo, 22h pra isso. Noves fora, e bem grosseiramente, isso me deixa com 3h10" por tópico - ou, como setei pra mim mesmo nessa metodologia, pra apresentação de resultados -, incluindo arrumar a sala pra ter mais espaço e organização, fazer o café e postar essa merda no blog.

Clock's ticking, e no primeiro bloco só me restam 2h49". Primeiras tarefas incluem terminar a transcrição da conversa com a possível orientadora e a leitura de alguns capítulos recomendados.

Vou usar este blog e o twitter como diário de bordo nesses dois dias de reclusão, comida pouco saudável e brain damage. I'm on it!

Friday, September 17, 2010

Bad Apples

Diamonds and fast cars
Money to burn
I got my head in the clouds
I got these thoughts to churn
Got my feet in the sand
I got a house on the hill
I got a headache like a mother
Twice the price of my thrills
And it's a cold day
It's a continental drift
I said this traffic is hell
Can you give me a lift
And I'll try to paint a story
Got your pictures to tell
Yeah you got to make a living
With what you bring yourself to sell

I got some genuine
Imitation
Bad apples
Free sample
For your peace o' mind only
I got my camera back from customs
Got my law fees up to date
Hell they must have seen me coming
Ain't this life so f**king great

When the shit hit the fan
It was all I could stand
Yeah, well I'm a frequent flyer
My body's breathing while it can
But what I don't understand is that
My world ain't getting no brighter
If I could touch the sky
Well I would float on by
While everybody's talking
Hell I'm just another guy
If it were up to me
I'd say just leave me be
Why let one bad apple
Spoil the whole damn bunch

Gold and caviar
Now won't you pour my apathy
I'd have all my bases covered
If I could teach my hands to see
But now we're down in the deep end
Where they'd love to watch you drown
I said your laundry could use washing
We'll hang it up all over town
I said Hollywood's like a dryer
And we're down on Sunset Strip
And you'll be sucking down the Clorox
'Til your life's all nice and crisp

When the shit hit the fan
It was all I could stand
Yeah, well I'm a frequent flyer
My body's breathing while it can
But what I don't understand is that
My world ain't getting no brighter
If I could touch the sky
Well I would float on by
While everybody's talking
Hell I'm just another guy
If it were up to me
I'd say just leave me be
Why let one bad apple
Spoil the whole damn bunch

When the shit hit the fan
It was all I could stand
Yeah, well I'm a frequent flyer
My body's breathing while it can
But what I don't understand is that
My world ain't getting no brighter
If I could touch the sky
Well I would float on by
While everybody's talking
Hell I'm just another guy
If it were up to me
I'd say just leave me be
Why let one bad apple
Spoil the whole damn bunch
Why let that one bad apple
Spoil the whole damn bunch
Boy!!

Thursday, September 09, 2010

Detran, a boa vontade e a burocracia

Hoje cedo fui ao Detran. Acordei (um pouco) antes do horário pra evitar muito atraso no trabalho, fiz o negócio direito. Cheguei lá, fila básica: meia hora até ser atendido. Já tinha pago todas as parcelas do licenciamento desse ano, e precisava da documentação nova pra rodar dentro da legalidade. Fiz a minha parte como cidadão e fui até o órgão, com as devidas taxas pagas, apenas pra retirar um papel que diz que eu tô ok com a lei.

Depois de meia hora, me deparo com uma atendente sorridente, milagre que só feriados extendidos fazem por você (até porquê, deus nunca vem aqui mesmo). Procedi com minhas indagações/exclamações com a moça, ela pede meus documentos e acessa meu prontuário pelo computador, muito moderno. Trinta e oito minutos depois de adentrar a budega, sou informado de que tenho uma multa em aberto. "Eu sei", respondi; "está tramitando em processo de defesa".

Ela sorri pra mim, e informa: "Pois é, mas com uma multa em aberto eu não posso renovar a documentação". Argumentei que já tinha pago tudo e, novamente, que a multa estava tramitando, aguardando uma definição do próprio Ciretran/Jari. "Tem que regularizar a situação antes". "Você tá me dizendo que eu preciso PAGAR a multa que eu NÃO QUERO pagar?" A moça arma um sorriso sádico no rosto e dispara: "Exatamente. Depois você PODE SER ressarcido".

Pensei em argumentar, mas vi que era tempo perdido. O sistema tinha vencido. O pior de tudo é ter a convicção de que o sistema não deve ser tão inteligente assim pra me ressarcir. Vai simplesmente me jogar pro fundo da pilha de processos, engolir meu dinheiro e me mandar à merda. Me sinto um idiota por ter que pagar pra andar na lei, sendo que o caos que a sustenta não me dá direito à porra nenhuma. Nem o jeitinho brasileiro dobrou a burocracia digital.

.: Ouvindo: Devin Tonwsend - Hide Nowhere :.

Friday, August 13, 2010

E nem demorou muito...

... pro meu iPod travar. Valeu, Steve Jobs.


Uma das funções que o iPod apresenta é a de menus falados. Como uso muito no carro, achei uma boa idéia e resolvi testar. Funciona até aí, mas os movimentos do carro geram muita mudança no posicionamento do gadget, e ele fica alternando entre o modo normal e o cover flow... cada vez que isso acontece, ele fala. Ao chegar em casa, desativei essa função.

Hoje cedo, pluguei ele no cabo do carro e - pã! - tela azul. Ok, não foi bem assim, mas ele não queria tocar nada, nem respondia aos comandos de menu, voltar ou desligar. Travou. Saquei as mp3 de backup no celular e resolvi temporariamente a situação. Quando cheguei no trampo, pluguei-o no PC e uma batalha por controle e dominação se seguiu. Nada que reiniciadas e o help da Apple não resolvessem.

O chato é constatar: caiu a impressão de que os produtos deles são realmente superiores...

.: Ouvindo: Clutch - The Mob Goes Wild :.

Tuesday, July 13, 2010

Sartre e o politicamente correto

O politicamente correto ainda vai acabar com a graça do mundo.

Hoje me requisitaram uma edição em duas figuras de um dos livros que produzimos aqui no trabalho. Em uma delas figurava Jean-Paul Sartre, existencialista francês, fumando seu inseparável cachimbo; na outra, Roland Barthes empunhando um cigarro.
A professora, autora do livro, politicamente correta, não suportou a imagem de dois pensadores que ela venera, iluminados em suas idéias, fazendo apologia ao fumo. Bolas.

Fizemos, contrariados, a edição; a autora agora, vai ter que suportar a eterna vergonha de ter em seu livro duas grandes figuras, ilustradas em grande destaque, com caras de babaca.

O politicamente correto ainda vai acabar com a graça do mundo.

.: Ouvindo: Opeth - By the pain I see in others :.

Wednesday, June 30, 2010

Nostalgia Marcial

Ontem rolou um treino comemorativo da parceira entre o Kawai Shihan Dojo e a Associação Budokan, tradicional dojo de Karate Shotokan em Florianópolis. O KSD já ministra aulas nos tatames da Associação há um ano, sob a tutela de Vítor Santos Sensei, e conta com 7 alunos assíduos. A iniciativa de um deles, Castro San, 3º Dan de Karate, tornou possível essa empreitada.

Nostalgia

Há aproximados 20 anos, lá ia eu, moleque empolgado, treinar karate na Budokan. Coincidências à parte, o espaço da associação mudou bastante, bem como as pessoas. Meu antigo mestre, o qual nem recordo o nome, já não ministra mais aulas... apesar disso, lembro bem dos finais de treinos com ele.
Sentávamos todos em seiza, concentrados. Após alguns instantes, ele advertia a turma: "Não cocem o suor que corre atrás das orelhas". Terror. A combinação de sentir o suor escorrendo, e o fato de não poder coçá-lo, era pior que a ansiedade do escondido no infantil esconde-esconde. Curioso, carrego comigo este costume até hoje, em tempos de Aikido.

O treino foi excelente, com contribuições dos vários Sensei do KSD e dos Sensei da Budokan presentes. Voltar a fazer Chudan Barai, Oi Zukis e liberar energia com Kiai foi demais. Ver cada grupo com suas dificuldades na arte pouco conhecida, também. Uma volta aos tatames de Karate não é nada impossível...

.: Ouvindo: Muse - Dead Star :.

Monday, June 14, 2010

Dark Tranquillity

Post de 14 de junho de 2010 que ficou nos drafts e não foi postado...

---

Taqueu se fez presente. Puta que o pariu, que show foda!

Road Trip divertidassa com os comparsas até Curitiba. Pouco rolo dentro da cidade pra encontrar o Hangar, bar onde rolaria o evento, próximo ao Largo da Ordem. Chegamos cedo, garantimos os ingressos e rumamos ao boteco mais próximo pra forrar os estômagos. Voltamos ao bar já comidos (opa!) e calibrados, vimos a banda de abertura (che, no pasa nada) e aguardamos ansiosos o main event.

Ver a montagem ligeira do palco e passagem de som foi interessante. Dois roadies praticamente resolveram tudo. A equipe brasileira trocou as bateras, e os gringos montaram os amps e teclado. Pras guitarras, dois Peavey 6505 e caixas 4x12" também peavey. O sinal entrava em algum rack que ainda não consegui identificar, passava por um V-amp rackmount (pra afinação silenciosa e possivelmente efeitos) e seguia pro preamp. Não identifiquei pedaizinhos quaisquer no chão, mas também não colei no palco pra conferir. Algumas Gibson (lespas e explorer) compunham as armas de Niklas Sundin e Martin Henriksson; o timbre era grave, gordo e, ao meu ver, podia contar com um pouquinho mais de presence. Nada que tirasse o brilho de clássicos como The Lesser Faith, Lost to Apathy e Punish my Heaven.

Tuesday, May 18, 2010

Peace, Love & Understanding

Quatro versões de uma mesma música. Quatro visões. Quatro épocas.

Nick Lowe, o original

Elvis Costello

Chris Cornell

A Perfect Circle


Do tradicional ao irreverente, do pop ao pós-moderno.

.: Ouvindo: Van Halen - Man on the Silver Mountain ('76 live cover) :.

Tuesday, May 11, 2010

Intoxicating

No point in telling you
what I've put myself through
to get to you

Guts and glory run
to the puddle of love and anger...
They're the same,
Intoxicating

Drawn in again
where none can reach
Another figure down the hall
One more stain down memory lane

Friday, May 07, 2010

It's all worth it

"Blistered fingers, lack of sleep, beer-stained clothes, no drink tickets, flat tires, no soundcheck, no monitors, broken strings, deaf soundmen, smelly van, miles of boring highway, dead 9V batteries, lead singer's disease, lethal B.O., crashing on floors, 2am load-outs, fugly groupies, drummers...


It's all worth it."

Monday, May 03, 2010

Terror!

Essa noite sonhei que tinha garimpado e comprado uma tele genial, uma peavey wolfgang com um timbre animal e que soou irresistível, além de um pedal peruado e um hot rod reformado. O carro me pareceu um fordão antigo, no sonho, mas não saberia descrever o modelo.

Em determinado momento, me roubaram o carro e o pedal, e a minha única preocupação era "como eu vou tocar guitarra agora?".

Malditos sonhos de terror.

Wednesday, April 14, 2010

AM

Ouvindo os intervalos do jogo do Flamengo contra a Universidad Catolica agora há pouco, na Rádio Globo via internet, concluí: a estética da rádio AM é realmente muito velha, tradicionalista e ultrapassada.
Bom, pode ser mesmo uma limitação do visual (ou a falta de).


.: Ouvindo: Jamioquai - (Don't) Give Hate a Chance :.

Wednesday, March 31, 2010

Março!

Dia movimentado. Mês movimentado, corrido e cheio de surpresas agradáveis. Lucky Streak. Tubes, guitar pedals. Encontros; reencontros. Oportunidades. Treinos, exame de faixa, dedo quebrado. Consciência e segurança.

Bora tocar mais o terror.

Thursday, February 04, 2010

Damn

Caraca, tenho que reativar isso aqui. Twitter tem me suprido boa parte da necessidade de escrever... e falta tempo pra peruar posts maiores.